Tema: Quem são os robôs? Os desafios da Robótica

Data: 20/08/2013
Palestrante: Profª Drª Roseli Francelin Romero
Instituição: ICMC - USP São Carlos
Resumo:

Nesta palestra, serão descritos os principais passos para construção de um robô, o que é necessário para serem inteligentes e o que podemos fazer com eles. Os principais robôs existentes serão apresentados: robô que foi ao planeta Marte, o robô humanoide da Honda, robôs sociáveis, carro-robô da Google, entre outros.  Serão apresentados, também, os principais projetos em andamento junto ao Centro de Robótica da USP e as previsões tecnológicas para esta área de pesquisa.




Video da Palestra:


Qualidade de Exibição:
Qualidade Alta - Alta velocidade de conexão
Qualidade Normal



Arquivos de Mídia:
DVD: Download (3423.3 MB)
MP4: Download (652 MB)
Cartaz: Download (0.5 MB)
Arquivos: apresentacao_ifsc_final.pptx - Tipo: .pptx (0 MB)1 - ROBOTIC CENTER PRESENTATION - 2013 CROB ppt.pptx - Tipo: .pptx (0 MB)Projeto Google.wmv - Tipo: .wmv (0 MB)



A edição do Programa Ciência às 19 Horas, referente ao mês de agosto, decorreu no dia 20, pelas 19 horas, no Auditório Prof. Sergio Mascarenhas (IFSC), com a participação da Profª Drª  Roseli  Francelin Romero, professora titular do ICMC ? Instituto de Ciências Matemáticas e da Computação, da USP ? São Carlos, que trouxe um tema que atraiu muitos espectadores, na sua maioria jovens: Quem são os robôs? Os desafios da Robótica.

Na sua apresentação, a pesquisadora descreveu os principais passos para a construção de um robô, o que é necessário para serem inteligentes e o que o ser humano pode fazer com eles, tendo trazido para esta palestra o robô do ICMC, que fez as delícias dos mais novos.

De fato, os robôs são máquinas consideradas inteligentes e que são construídas com um propósito bem definido, para realizar alguma tarefa específica, como, por exemplo os carros autônomos ? sem motorista -, cuja missão é exatamente que o carro se mova de forma automática, sem o auxílio do ser humano, ou para fazer limpeza de ambiente. No geral, são máquinas com certo grau de inteligência artificial para a realização de uma tarefa pré-determinada.

A Califórnia é um dos grandes centros da robótica mundial e o que se observa nas competições de robótica e nas demonstrações de robôs, é que podemos estar muito perto de um robô poder substituir o ser humano quase totalmente. Para Roseli Romero, é fato que os robôs já substituem o ser humano em algumas tarefas, como, por exemplo, nas grandes montadoras de veículos, onde grande parte do serviço é automatizado por robôs manipuladores, que substituem o ser humano em tarefas repetitivas. Contudo, a pesquisadora não acredita que a tecnologia possa avançar ao nível de uma máquina substituir integralmente o ser humano: ?É o ser humano que programa os robôs, então eles vão até onde nós queremos. Por outro lado, o robô também possui limitações estruturais, ou seja, as peças que compõem os robôs desgastam-se e, por isso, a máquina tem um determinado tempo de validade, de bom funcionamento. Nós queremos que a inteligência artificial possa se aproximar ainda mais da inteligência natural, mas isso aí é um grande desafio para os pesquisadores da área de inteligência artificial. Então, ainda há muito que descobrir, inclusive sobre nosso próprio cérebro?, pontua Roseli

A robótica, ao seu mais alto nível, vai entrar diretamente na sociedade dentro de pouco tempo e irá ?invadir? as nossas casas. Assim, segundo uma previsão tecnológica, dentro de alguns anos poderemos ter no nosso lar robôs auxiliando nas tarefas do dia-a-dia, como se fossem parte da família, auxiliando nas tarefas de limpeza, abrindo a porta da rua, servindo cafezinho, água etc.: ?Num futuro próximo, a existência de robôs caseiros será tão natural como hoje existirem computadores na casa das pessoas?, remata a pesquisadora.

No Brasil, a robótica ainda está em desenvolvimento: ?Existe a iniciativa de criar um centro de robótica da USP de São Carlos, que certamente vai facilitar o desenvolvimento das pesquisas. Foi uma união de vários grupos, um esforço comum de nos unirmos e montarmos esse centro que está em operação desde 2011. Ainda não temos o prédio, mas daqui a dois anos acredito que teremos finalmente o tão sonhado Centro de Robótica, que vai facilitar a integração das pesquisas realizadas no Campus?, refere a palestrante.

Contudo, a ideia também é estar disseminando o conhecimento desta área por todo o Brasil e pretendendo-se que essa infraestrutura seja um centro de referência nacional e internacional: ?Nós temos boas perspectivas, temos projetos em conjunto com várias universidades internacionais, principalmente na Alemanha e EUA, mas, acima de tudo, o que pretendemos é resolver os problemas nacionais inseridos nessa área de conhecimento. Queremos robôs que possam resolver os nossos problemas. E nós estamos formando um pessoal, temos muitos alunos em formação, então acredito que em breve estaremos marcando presença no cenário nacional e internacional?, finaliza Roseli Romero.